O Período da Juventude

 

 

1/1

Independentemente das suas situações sociais, os jovens aspiram por crescimento espiritual e intelectual e por “contribuir para o destino da humanidade”. Eles possuem muitos poderes maravilhosos, e a sua canalização apropriada é uma preocupação importante, pois quando são mal direcionados ou manipulados por outros podem provocar aflições sociais. Entre os jovens do mundo encontram-se os que estão em sintonia com a visão de Bahá’u’lláh de um mundo espiritual e materialmente próspero. O envolvimento nos programas do instituto de capacitação permite-lhes verem-se a si próprios como estando a percorrer um caminho de serviço. Ao longo desse caminho, promovem a sua capacidade de aplicar os ensinamentos de Bahá’u’lláh à vida da sociedade. Compreendem que, tal como ‘Abdu’l-Bahá declarou, não existe serviço no mundo que seja “mais nobre que o serviço ao bem comum”, que “a mais elevada retidão” consiste em “levantar-se e devotar-se energicamente ao serviço das massas”.

 

No serviço altruísta à sociedade existe a possibilidade tanto de crescimento pessoal como a promoção da capacidade de contribuir para o progresso social. “O serviço à humanidade é o serviço a Deus”, ‘Abdu’l-Bahá sublinhou. Ele instou aos que se levantam para servir a deixar “que o amor e a luz do Reino irradiem através de vós até que todos vejam como estais iluminados com o seu reflexo.” Ao direcionarem os seus talentos e capacidades para a elevação da sociedade, são “causa de tranquilidade para o mundo da criação”. Ao infundirem um espírito de generosa dádiva nas suas atividades diárias e ao oferecerem atos voluntários em prol do bem-estar dos outros, atraem a ajuda e as confirmações de Deus.

 

É, por isso, essencial que seja cada vez maior o número dos que no auge das suas vidas se desejam “fundir numa vida de serviço” à sociedade. Naturalmente, são muitos os assuntos que ocupam o seu tempo e a sua energia: a educação, o trabalho, os tempos de lazer, a vida espiritual, a saúde física. Mas eles aprenderam a evitar uma abordagem fragmentada da vida que fracassa em ver as ligações entre os seus diversos aspetos. Uma visão desarticulada da vida faz com que os indivíduos sejam frequentemente vítimas de falsas escolhas, tais como: se uma pessoa deve estudar ou servir, se deve progredir materialmente ou contribuir para a melhoria do mundo, se deve continuar a trabalhar ou dedicar-se a servir. O fracasso em abordar a vida como um todo coerente conduz frequentemente à ansiedade e à confusão. Através do serviço, os jovens podem aprender a promover uma vida na qual os seus diversos aspetos se complementam.

 

Seguros das infalíveis bênçãos de Deus, destinadas aos que se levantam para servir, os jovens veem o ambiente onde interagem com os outros — a família, os amigos, a escola, o local de trabalho, os mídia, a comunidade — e reconhecem as forças sociais que ali operam. Algumas destas forças, tais como o amor e a verdade, a sede de conhecimento, a atração à beleza, impelem-nos no seu progresso ao longo de um caminho de serviço. Outras forças, por exemplo, a propagação do materialismo e do egocentrismo são destrutivas porque ao distorcerem a visão que os jovens têm do mundo impedem o seu crescimento individual e coletivo. À medida que avançam nas suas iniciativas para construir um mundo melhor, aumenta muito a sua capacidade de se apoiarem nas forças espirituais e sociais que os transformam em construtores da civilização.

© 2020 Comunidade Bahá'í de Portugal 

  • s-facebook